Proibida de ler pelo pai, paraibana é aprovada em universidade federal e ensina na escola onde voltou a estudar
Compartilhe:
Pin Share

As letras desenhadas com gravetos em qualquer pedaço de terra prometiam descortinar um futuro esperado e sonhado, mas ao mesmo tempo incerto para Josineide Barbosa da Silva. Proibida de ler e escrever pelo pai no começo da adolescência, a paraibana, de 55 anos, voltou a estudar aos 35. Hoje, depois de uma longa trajetória marcada por dificuldades, desafios e vitórias, ela é psicopedagoga e não só aposta, mas ensina como a educação pode transformar vidas.

Os passos da estrada trilhada por Josineide começaram a ser dados um a um ainda em Bayeux, cidade que fica a pouco menos de 20 quilômetros da capital João Pessoa. A fome, a dificuldade financeira e a falta de emprego fizeram com que a família dela se despedisse da terra natal e mirasse o Rio de Janeiro como um refúgio, um terreno fértil de oportunidades.

Os pais analfabetos, um pedreiro e uma dona de casa, não enxergavam a educação como uma prioridade. Afinal, colocar comida na mesa demandava um esforço maior do que deveria. E essa garantia pareceria ser o mais importante.

Ao mesmo tempo, a ansiedade para aprender a ler e escrever fez com que Josineide usasse os recursos que, embora talvez inimagináveis, estavam disponíveis e não custavam nada além de uma pouco da boa vontade dela.

“Eu já rabiscava o chão. Não podia ver um graveto. Desenhava as letras no chão. Fui crescendo assim com essa inquietação”, lembrou de quando fazia o chão de caderno, com o saudosismo saltando pela voz.

No seio familiar, Josineide era a primogênita, a mais velha entre sete irmãos. Só que isso apenas na teoria. Na prática, tomava conta da casa e era a babá dos mais novos.

“Eu servia dentro de casa como uma mão de obra, porque eu ajudava minha mãe a cuidar dos meus irmãos e da casa. Minha mãe tinha esquizofrenia. De vez em quando ela surtava”, recordou enquanto respirou fundo e teve de volta à mente algo que não quer reviver.

Por isso, depois de muita insistência, Josineide entrou na escola somente aos oito anos. Mesmo na infância, quando tudo deveria ser divertido, foi como aliviar um peso carregado diariamente sobre os ombros.

“Quando eu entrei na escola pela primeira vez foi incrível. Quando eu coloquei meu pé naquela sala, foi algo maravilhoso. Foi como se eu me despertasse pra vida e passasse a olhar pra mim, já que a minha vida inteira eu só cuidava dos outros. Eu cuidava da minha mãe, ajudei a criar meus irmãos”, reforçou enquanto lembrou de quando descobriu um mundo cheio de cor.

 

 

G1

Compartilhe:
Pin Share

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.