Compartilhe:
Pin Share

Uma vítima do pastor evangélico que está sendo investigado por estelionato que gerou um prejuízo de aproximadamente R$ 3 milhões a fiéis em uma igreja localizada no bairro de Mangabeira, em João Pessoa, deu detalhes de como acontecia.

O homem é uma das vítimas do pastor Péricles Cardoso de Melo e preferiu não ser identificado. Ele disse que o líder religioso pedia dinheiro para fazer reformas na igreja ou como doação para ele próprio. Mas desde o começo, ele achou estranha a forma como o pastor o abordou, pedindo contribuições para reformar a igreja.

“No começo achei estranho, porque ele chegou com uma maquineta, e aí disse ‘você passa o cartão aqui’, a gente saca o valor e com esse valor vamos comprando material de construção, pagando a mão de obra, e as coisas iriam acontecer”, disse.

O homem está entre as 35 vítimas que foram identificadas até o momento. A congregação do pastor também foi vítima de furto, estimado em R$ 17 mil.

A vítima disse que viu algumas reformas acontecerem, mas começou a desconfiar que se trava de um golpe quando, após pedir o cartão do fiel emprestado, o pastor atrasou o pagamento pela primeira vez.

“Eu perguntei o que aconteceu, o pastor disse que ‘houve um problema na maquineta, um problema com o banco, que não estou conseguindo sacar o dinheiro’, algo mais ou menos nesse sentido. Eu achei estranho, mas ele era uma pessoa tão amigável. Ele começou a chorar dizendo que não queria sujar meu nome”, relata.

Além disso, a vítima relata também que enquanto o pastor procurava tentar remediar a situação com ele, novos golpes eram aplicados.

“Ele ia fazendo novas vítimas, e uma coisa que ajudava muito era que ele pedia discrição. Dizia ‘olha, ajude seu pastor, não comente nada com ninguém’. Na hora de aplicar os golpes, ele não poupou ninguém”, conta.

A vítima também ressaltou que o pastor chegou a abordar até pessoas mais “desafortunadas financeiramente” para que elas também dessem dinheiro.

Compartilhe:
Pin Share

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.