Compartilhe:
Pin Share

Os agentes da 72ª DP (São Gonçalo) ouviram o depoimento de todo o corpo médico do Pronto-socorro Darcy Vargas, onde uma bebê de 1 ano e 8 meses teve o dedo amputado na retirada de uma atadura.

A técnica de enfermagem responsável pelo procedimento que feriu a neném afirmou que o corte aconteceu em um momento em que a menina se mexeu.

Lara de Souza deu entrada no pronto-socorro com uma inflamação na testa, e a família acusa a unidade de imperícia.

Aos policiais, a mulher afirmou que foi um acidente, que a mãe segurou a criança quando a atadura foi retirada, mas a bebê acabou se mexendo. Lara segue internada e só passará por perícia depois que tiver alta.

A mãe da menina presta depoimento no começo da tarde desta quarta-feira (22). O pai da criança afirma que os responsáveis pelo pronto-socorro dizem que a criança ainda passará por uma avaliação.

Lara teve parte do dedo amputado em pronto-socorro de São Gonçalo — Foto: Reprodução/TV Globo

“Eles dizem que ela não ganhou alta porque os médicos e cirurgiões ainda precisam avaliar a menina”, disse Thiago Souza.

O pai conta que ninguém dá uma explicação sobre os motivos pelos quais a criança ainda está internada e deve ainda ser avaliada por todo o corpo médico.

“Ela já tirou os pontos, está sequinho. E eles precisam para fazer a perícia”, afirmou o pai da bebê.

A Prefeitura de São Gonçalo, que administra o pronto-socorro, afirmou que a menina segue internada por fazer um tratamento com antibiótico venoso e que está evoluindo bem clínica e laboratorialmente, mas não deu prazo para alta.

 

Por G1

Compartilhe:
Pin Share