Deputado busca criar frente parlamentar para combater pirâmides financeiras

O deputado federal Mersinho Lucena (Progressistas/PB) disse que está estarrecido com a polêmica envolvendo a empresa de criptoativos Braiscompany, sediada e fundada em Campina Grande. A empresa está sendo investigada após denúncias de atrasos no pagamento dos clientes.

Ele disse que fez uma pesquisa e percebeu que as penas para os responsáveis por pirâmides financeiras é muito branda e defendeu que haja um endurecimento da pena para esse crime.

De acordo com Mersinho, a pena para a prática de pirâmide financeira hoje é de cerca de cinco anos para aqueles que acabam com os sonhos de diversas famílias.

Ele citou, em entrevista a uma emissora de rádio, que muitos dos praticantes das pirâmides financeiras fogem do Brasil para se livrar da prisão.

Mersinho destacou que a frente parlamentar já conta com cerca de 50 assinaturas e precisa de 198 adesões para ser criada.

“A maior pirâmide que existiu foi nos Estados Unidos, e o responsável foi condenado a 150 anos por ter lesado várias famílias. Tem que ser uma punição forte para que a gente possa inibir”, disse.