Jacaraú, Vereador pedirá afastamento de prefeito por uso da máquina pública para campanha de Lucélio


O prefeito de Jacaraú, na Zona da Mata paraibana, Elias Costa (MDB) está sendo acusado, por vereadores de oposição, de usar a máquina pública para fazer campanha em prol do candidato ao Governo do Estado Lucélio Cartaxo (PV). Na quinta-feira (16) durante a entrega de carros oficiais adquiridos possivelmente para a Secretária Municipal de Saúde, os veículos foram decorados com laços, fitas e balões na cor verde e na ação festiva diversos funcionários estavam fazendo um sinal de “L” com a mão – símbolo característico do candidato do PV.

“Ontem fizeram uma farra aqui. Teve a inauguração de três carros que compraram, eles enfeitaram os carros com as cores de Lucélio. Tem uma lei que as cores da prefeitura são preto e vermelho, é lei. Fizeram carreata, tiraram foto com prefeito, secretários e funcionários, tudo com a estrutura da prefeitura, e ainda postaram nas mídias oficiais da prefeitura. Fizeram a maior farra com os carros, fazendo farra política para Lucélio Cartaxo”, afirmou França Pontes (PTB) ao Blog do Gordinho.

Conforme o petebista, na próxima segunda-feira (20) ele vai entrar com uma representação no MPPB. “Segunda estou entrando com uma representação no Ministério Público para pedir o afastamento dele. Isso é uma vergonha para o município. Estar se usando da máquina da prefeitura para fazer política eleitoral”, disse. Para França as ações configuram improbidade administrativa.

“Se pegou carro novo, encheu o carro de bolas verdes que é a cor do candidato, fazem fotos fazendo um ‘L’ com a mão, e postam nas mídias da prefeitura. Tem mais o que dizer não, num é? Com certeza estão usando da máquina para fazer política eleitoral. E passando por cima de todas as responsabilidades fiscais e eleitorais”, justificou o vereador; antes de completar: “Um prefeito desse não tem condição de estar administrando uma cidade não. Ele tem que dar vaga a outro”.

A reportagem do Blog do Gordinho entrou em contato com o prefeito Elias Costa, mas as ligações não foram atendidas até a publicação desta matéria.

Nenhum comentário