Funcionários dos correios encerram greve


A maioria dos sindicatos de trabalhadores dos Correios decidiu nesta sexta-feira (6) aceitar a proposta de acordo apresentada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) e encerrar a greve iniciada no dia 20 de setembro. Segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), dos 31 sindicatos filiados, 24 já realizaram assembleias e votaram por aceitar a proposta e encerrar a paralisação.

O secretário-geral da Fentect, José Rivaldo da Silva, afirmou ao G1 que os trabalhadores dos Correios voltarão ao trabalho em todo o país na segunda-feira (9). "Já temos quórum para assinar o acordo, mas a volta ao trabalho é na segunda-feira", disse.


Das assembleias realizadas, as de 3 sindicatos votaram por rejeitar a proposta: Piauí, Mato Grosso e Campinas. Mas também nestes locais, os trabalhadores retornarão ao trabalho a partir de segunda-feira. "Eles rejeitaram, mas com retorno ao trabalho", disse Silva.


A assinatura do Acordo Coletivo de Trabalho 2017/2018 pela empresa e federações representantes dos trabalhadores está prevista para terça-feira (10).



A proposta de acordo prevê, entre outros pontos, reajuste de 2,07% (INPC) retroativo ao mês de agosto de 2017, compensação de 64 horas (8 dias) e desconto dos demais dias de ausência.


Efeitos da greve


Os Correios informaram que neste fim de semana será realizado mais um mutirão com a expectativa é de entregar aproximadamente 5 milhões de cartas e encomendas atrasadas.


Em nota, a estatal informou que dos cerca dos seus 108 mil empregados, aproximadamente 90% estavam "trabalhando normalmente em todo o país" nesta sexta-feira.



De acordo com entidades que representam os funcionários, a paralisação foi parcial, com redução de funcionários nas agências, afetando principalmente a área de distribuição. As agências franqueadas não participaram da greve - são cerca de 1 mil no país. Já as agências próprias totalizam mais de 6.500 pelo país.



Os serviços mais afetados durante a paralisação foram os de hora marcada. No período, foram suspensos: Sedex 10, Sedex 12, Sedex Hoje, Disque Coleta e Logística Reversa Domiciliária.


A proposta de acordo coletivo foi apresentada na quarta-feira (4) pelo ministro do TST Emanoel Pereira. Veja os principais termos: reajuste de 2,07% (INPC) nos salários e benefícios retroativo ao mês de agosto deste ano compensação de 64 horas e desconto dos demais dias de ausência manutenção de cláusulas sociais no acordo.