Site diz que Exoneração de Walber Virgulino teria sido negociação do Governo e Facção no RN


Uma matéria veiculada no Blog do Primo (Renato Mendes) trás uma séria suspeita sobre a saída do então ex-secretário de Justiça e Cidadania do RN, Walber Virgulino, na matéria o responsável afirma que a exoneração faria parte de um acordo do governo com facção criminosa. 



Veja abaixo a matéria completa: 



Uma fonte insuspeita do Blog do Primo, informou que a exoneração do ex-secretário de Justiça e Cidadania Walber Virgulino foi exigência de uma facção criminosa.

Segundo nossa fonte, líderes da facção criminosa teriam acertado com o Governo do Estado, através da secretária-chefe do Gabinete Civil, Tatiana Mendes Cunha o impedimento até do acesso do secretário Walber Virgulino ao Presidio de Alcaçuz e demais unidades do sistema prisional do RN.

É fato que a secretária Tatiana Mendes Cunha visitou várias vezes Alcaçuz sem a presença de Walber Virgulino que era o responsável pela penitenciária .

Nosso informante disse que tal facção criminosa negociou o compromisso com Governo do Estado em manter a ordem dentro dos presídios desde que a polícia não intervisse nos casos de execuções de membros da facção rival. Em troca, também a facção forneceria informações onde funcionam os grandes pontos de venda de drogas da facção rival no RN.

Como é fato, ultimante tem sido realizadas algumas operações policiais com apreensão de drogas e traficantes.

Para o acordo entre o Governo do Estado e a fação criminosa pudesse funcionar, seria necessário a exoneração do então secretário de Defesa Social e Segurança Caio Bezerra que foi substituído pela delegada Sheila Freitas, o que aconteceu..  O ex-secretário Caio Bezerra não aceitaria negociar com facção criminosa.

Outro fato de conhecimento público foram as visitas de inspeções que a secretária Tatiana Mendes Cunha fez ao Presídio de Alcaçuz sem a companhia do então secretário responsável pela pasta, Walber Virgulino – ele foi impedido de entrar em Alcaçuz pela facção criminosa, caso entrasse, haveria quebra-quebra, disse nossa fonte.

Não cabe ao Blog do Primo apurar o caso, a investigação sobre essa suposta negociação dever ser feita pela Polícia Federal,  Ministério Público ou CPI na Assembleia Legislativa.