Chocolate amargo tem ação antienvelhecimento, aponta estudo


A cada dia a ciência descobre novas formas de como o nosso corpo reage ao consumo de diferentes alimentos. Esse tipo de descoberta vem ajudando a derrubar alguns mitos, mas principalmente nos ajuda a fazermos escolhas alimentares mais saudáveis. No último sábado (22) teve início o Experimental Meeting 2017, um encontro entre cientistas de diferentes áreas do conhecimento.

Pesquisadores da Universidade de San Diego, na Califórnia divulgaram um estudo que pode deixar muitos amantes de chocolate felizes. De acordo com a pesquisa, o chocolate amargo possui em sua composição uma substância chamada epicatequina, um flavonol capaz de reduzir o estresse oxidativo, responsável pelo envelhecimento.

Até o momento o estudo foi feito apenas em ratos, mas ao que tudo indica, pode ter o mesmo efeito em seres humanos. Durante os testes, os cientistas ficaram surpresos com a rápida atuação da substância. Isso porque em apenas duas semanas de tratamento houve redução nos níveis de envelhecimento e também melhora na memória e ansiedade dos ratos.








MSN