Jovem morta na frente dos filhos seria vítima do marido em queima de arquivo, diz polícia


Investigações da polícia apontam para uma reviravolta no caso do assassinato da jovem Aline Albuquerque da Silva, morta no dia 21 de dezembro de 2016, quando chegava em casa com o marido, na cidade de Campina Grande, a 130 quilômetros de João Pessoa. De acordo com o delegado Antônio Lopes, o esposo da vítima seria o mandante do crime.

Uma das teses levantadas pela polícia é de que a jovem estaria desconfiada de que o esposo teria participação em crimes patrimoniais e ao ser descoberto pela companheira, teria planejado a morte, o que caracterizaria uma suposta queima de arquivo.  


O delegado disse que já existe um mandado de prisão em aberto contra o suspeito, que está sendo procurado pela polícia.

Outros dois jovens foram presos suspeitos de terem participado do crime. Os dois foram apresentados pela polícia durante entrevista coletiva nessa quarta-feira (8) e participarão de uma audiência de custódia em Campina Grande. 
Os três suspeitos poderão responder pelo crime de homicídio qualificado





portalcorreio